Obrigada pela visita! Thank you for your visit! Kiitos käynnistä!

sábado, 20 de abril de 2013

Soneto de Maldição


Corta-me os lábios agora,
Palavra maldita de condenação.
Dilacera-me como fizera outrora
Em que também perdi a razão.

Aperta minha garganta e implora
Que minha boca não lhe diga em vão.
Então mergulha fundo e ancora
Dentro do peito, na raiz da solidão.

Aproveita agora teu ensejo,
Tenta de uma vez escapar,
Discreta, em meio a um bocejo

Ou faz-me então gritar com fulgor
Essas letras que não desejo:
-Vil e condenada palavra - amor




Tany - 19/04/2013

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Confissões


E
la sentou-se com seu caderno sobre o colo, pois pretendia fazer uma confissão e esta era a única maneira que conseguia se libertar das palavras que lhe sobravam.  Segurando a caneta firmemente, fechou os olhos e deixou fluir o que estava em sua mente. A mão deslizava sobre o papel de formas diversas - vertical, horizontal, em curvas – algumas eram impossíveis de identificar.
Ao abrir seus olhos, deparou-se com letras e palavras totalmente desconexas e ao mesmo tempo compiladas num só turbilhão de pensamentos. Talvez tivesse acabado de reproduzir exatamente o que quisera, confessando-se internamente.
Após compreender-se melhor diante daquele emaranhado de rabiscos, todos os seus sentidos foram se abrindo ao ambiente onde estava. Seus olhos começaram a notar cada objeto daquele quarto em que ela se encontrava sozinha, tão longe de tudo e de todos que amava. Tudo parecia tão singular e sem vida, nenhum daqueles objetos lhe significava nada, não havia uma história que pudesse prender com afeto seu olhar em algum deles.
No chão de madeira ainda havia um pouco de brilho apesar de já ser bastante velho e ter sido pisado sabe-se lá por quantos pés diferentes. Sobre ele, no centro do quarto, uma velha cadeira de ferro repousava quase imperceptível até então, coberta com almofadas cinzentas já gastas.
A janela enorme no centro da parede que ela observava bem de frente pareceu unir-se à cadeira pelas cores e pelo material similar de que eram feitas. Tão singular essa visão, como se esses objetos tivessem sido propositalmente feitos um para o outro e que se um deles faltasse o outro talvez nem fosse notado.
A cama não era das mais confortáveis, era baixa e tinha um colchão tão fino que ela podia sentir o estrado de madeira quando se deitava. Mesmo assim, naquele momento, parecia o lugar mais aconchegante do mundo, pois fora ali que ela havia acabado de libertar-se dos seus pensamentos inóspitos.
Seus ouvidos agora atentavam para a fina e insistente chuva que caía, e como majestade, só o barulho de suas águas imperava sobre todo e qualquer outro ruído. De repente, ao fundo, alguém começou a soprar tristemente uma gaita, forçando-a a reproduzir em seus acordes toda a melancolia da qual aquele sopro estava carregado.
A chuva batia no chão em pequenos estalos compassados que acompanhavam a música da gaita e arrancavam daquele solo tão rústico e empoeirado o mais singular e natural perfume que ao entrar por suas narinas, trazia-lhe tranquilidade.
O ar começava a soprar mais frio e ela se acalentava com uma velha manta azulada que até então estava amassada e esquecida em um canto da cama. Sua pele se eriçava a cada rajada de vento que entrava de surpresa pela janela totalmente escancarada, mas mesmo assim ela não tinha vontade de fechá-la.
A luz que entrava no quarto era quase nula. Tudo estava sombreado da maneira mais deprimente possível, sem vida, sem cor, tão apagado quanto o sol encoberto pelas nuvens grossas.
Mas a mente dela estava mais viva que nunca, mais atenta e leve que nas horas em que o sol brilhava com todo seu esplendor.  E talvez o fato de o sol brilhar demais a maior parte do tempo tenha feito com que ela permanecesse na penumbra, totalmente cega e ofuscada sem conseguir se encontrar.
Enfim conectou-se com o resto do mundo, encontrou-se quando menos esperava no meio daquela tarde onde tudo era cinza, onde nenhuma luz ofuscava e nenhuma sombra escondia, mas tudo era revelado de forma equivalente.
O silêncio a fez ouvir os barulhos mais prazerosos, a falta de claridade a fez enxergar tudo com singularidade e exuberância. Fez-se parte daquele quarto que antes lhe causava estranheza, reconheceu-se no meio daqueles velhos móveis antes tão repugnantes. Aceitou que agora ali era seu lugar, não pertencia mais ao passado. Confessou a si mesma quem era sem necessitar de nenhuma palavra para isso.


Tany ~ abril 2013 ~

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...